Um negócio precisa se desenvolver constantemente, pois afinal, o mercado está em constante evolução. Para que as empresas consigam atingir esse objetivo, é necessário formular novas estratégias e métodos para aprimorar e desenvolver os processos internos de uma marca.

Em se tratando da hotelaria, não é diferente. Através do Design Thinking, é possível obter soluções eficientes para desenvolver a marca perante a concorrência, e dessa forma, conquistar novos clientes. Quer saber como? Então, confira o nosso post até o final e tire todas as suas dúvidas sobre o assunto.

Afinal, o que é Design Thinking?

O Design Thinking é um termo comumente usado para se retratar a processos que envolvem pensamento criativo e crítico, fazendo a hotelaria ter condições de gerar ideias para qualificar a tomada de decisão e a respectiva busca pelo conhecimento.

Ou seja, a proposta do Design Thinking não é oferecer uma fórmula mágica para que a empresa mude de patamar e atenda um nível de competitividade eficiente. Ao invés disso, o Design Thinking acaba criando condições para que a geração de insights possa ser estimulada dentro do negócio, aplicando-as em seguida e de forma estratégica.

Como utilizar o Design Thinking na hotelaria?

Agora que você já entende o conceito e a funcionalidade desse método para estimular a criatividade e a inovação dentro de um negócio, confira abaixo como ele é executado na hotelaria.

1. Imersão

Nesse primeiro momento, os colaboradores hoteleiros farão uma imersão acerca de tudo que envolve o hotel. Nesse quesito, é crucial utilizar uma ferramenta, como é o caso da análise SWOT.

Ele mapeia fraquezas, oportunidades, ameaças e, principalmente, os pontos fortes do seu negócio, seja em âmbito interno ou externo. Na etapa da imersão, também são coletados feedbacks de clientes que já se hospedaram no local, a fim de entender o que está eficiente e o que precisa ser melhorado.

2. Ideação

Depois dos hoteleiros concluírem todo o processo de imersão acerca do problema e do que deve ser melhorado, está na hora de produzir ideias eficientes para que as melhorias abordadas sejam otimizadas de maneira eficiente. Nesse momento, o mais importante é gerar insights que foram adquiridos com base no uso do big data, aumentando as chances de que o processo seja ainda mais eficiente.

A partir desse momento, basta reunir os colaboradores hoteleiros que estão envolvidos no método e investir em um brainstorming, a fim de reunir e compartilhar as ideias mais relevantes.

3. Prototipação

Depois que os hoteleiros reúnem uma quantidade considerável de ideias para otimizar os processos que foram encontrados, é hora de escolher as melhores ideias e começar a desenvolver um protótipo das melhores. A ideia é evitar erros do que foi prototipado, antes de efetivamente investir na execução do projeto.

4. Desenvolvimento

Finalmente, chegamos na última etapa: a de desenvolvimento. Nesse ponto, é necessário tirar todas as ideias do papel e colocar tudo para funcionar de verdade.

Em se tratando da hotelaria, seja na mudança na forma de recepcionar clientes, conduzi-los aos quartos, aquisição de comodidades e entre outros itens relacionados que foram arquitetados no Design Thinking, é hora de colocar o plano em ação e mensurar os resultados.

Caso dê tudo certo, o método foi eficiente. Caso algo saia fora do planejado, o necessário é retomar alguma ideia, e recomeçar novamente para mensurar novos resultados.

Gostou das dicas? Agora que você já sabe o conceito e a funcionalidade do Design Thinking na hotelaria, que tal ampliar o seu conhecimento sobre o assunto? Acesse agora mesmo o nosso blog e confira outras dicas exclusivas sobre o tema.

error: Reprodução parcial ou total deste conteúdo não é permitida